Ora Então Um Grande Bem Haja ... oprazerdainsolencia@sapo.pt
Terça-feira, 8 de Março de 2005
a vida no "bairro"
eu acredito que quando um trabalho é bem feito, deve ser elogiado e sinto-me na obrigação de o apreciar independentemente daquilo de que se trate…

posto isto, um dia destes ía eu calmamente a passear à noite, sozinho num bairro problemático na costa da caparica (é um hobby que eu tenho) quando me deparo com um poste de iluminação avariado… acontece que durante cerca de dois metros e meio, a rua ficava totalmente às escuras… e eu tudo bem… durante cerca de três segundos fiquei sem ver absolutamente nada… contudo assim que regressei à luz dei por mim sem carteira nem relógio… estranhei… alguns metros depois, outro poste avariado… ao atravessá-lo desapareceu-me o telemóvel que estava dentro da mochila num compartimento à parte, fechado com um pequeno cadeado… isto foi continuando e passados três ou quatro “buracos negros” dei por mim completamente nú na praça de taxis da costa da caparica com um cromo do bolicao com a imagem de um porco colado no meu rabo… e não estava absolutamente ninguem na rua… pelo menos que eu tenha dado conta… claro que foi desagradavel porque estava frio e apanhei uma pneumonia mas foi sem dúvida um trabalho bem feito… porque isto de ser assaltado com navalhas e pistolas não tem graça nenhuma… perde a arte… não há aquela poesia do roubar sem dar nas vistas… prefiro um trabalho bem feito e respeito todas as várias pessoas que me foram desnudando a cada passo que dava. louvados sejam esses herois incompreendidos

deve ser tremendamente difícil viver num bairro social… ter diariamente de evitar as mesmas minas terrestres é uma rotina desagradavel… é como a pessoa dita normal que já conhece todos os buracos no caminho para casa e os evita… de qualquer forma com minas é muito mais excitante… aliás o 50 cent todas as semanas pisava três, quatro, cinco… não admira ter acabado com a cara que tem hoje.
depois há sempre outras questões… lembram-se do mítico jogo do sapo em que este tinha de atravessar a estrada evitando os automóveis e outros obstáculos (ou estarei assim tão velho?)… ali o sistema é o mesmo mas com balas… e só tens uma vida por isso convem mesmo desviar… não convem mesmo nada é ser-se distraído, há pessoas que nunca sabem onde deixam as coisas e às tantas ficam sem uma perna “ah afinal estavas aí... sacana da mina”... eu conheço uma gaja assim que mora lá... só na semana passada perdeu a virgindade cinco ou seis vezes... chega a casa sempre com a mesma conversa “ó mãe perdi a virgindade” depois tem de ouvir como é natural “pois, é sempre a mesma coisa, nunca sabes onde deixas as coisas... não te compro mais nenhuma”
no “bairro” os tiroteios são tão frequentes que as pessoas até já conhecem o itinerário das balas, é do género “lá vai o 53 para a escola primária” ou então “olhem o 27 já vai atrasado para a feira dos ciganos”… é possivel inclusivamente manter diálogos com as balas…

bala – puuuuuuum (não sei como é que fazem as balas por isso fica assim)
angolano – wow quase que me acertavas hoje han? tas a progredir… fica bem sócia… props pó teu cota lá no revolver
outra bala – puuuuuum
angolano – inda agora falei ca tua filha bacano… ía ali na direcção do bófia… porta-te

a polícia passa por lá tantas vezes que se democratizou o processo de tiroteio… agora lança-se a moeda ao ar para ver quem dispara primeiro… no que toca a questões de respeito mútuo há que haver algum civismo… somos alguns animais ou quê?

às tantas os “fora da lei” e os bófias criam laços de amizade… tanto, que agora sempre que é preciso fazer alguma rusga, são os “bandidos” que fornecem dados quanto à localização das armas e das drogas… a bófia, por seu lado, quando lá chega apreende apenas metade do material… temos de ser uns para os outros, senão este mundo estava perdido…

gera-se por vezes um intercâmbio cultural entre a “ladroagem” e os polícias… hoje em dia a primeira coisa que um agente da autoridade diz assim que chega a casa é mais ou menos isto: “com’é dama? qual é pitéu que tu vai servir prô teu maridão? uma cachupa? ou ainda tem resto da muamba de ontem?” …
ao invés o “gatuno” assim que afasta a placa de zinco do buraco por onde se entra no edifício diz logo: “ó maria desculpa lá o atraso, é que tive de registar uma ocorrência do tipo 332, referenciada inicialmente como um simples 412 mas que com o desenrolar dos procedimentos protocolares permitiu inferenciar que o transeunte se encontrava em transgressão pelo que foi necessário proceder á sua autuação imediata” depois a mulher responde: “porra carlão foste prô chilindró de novo? sempre igual carlão, sempre igual”

uma última referência ainda para o dia especial delas... no fundo o dia da mulher é quando um homem quiser

ora então um grande bem haja


publicado por Insolente às 13:34
link do post | comentar | favorito
|

12 comentários:
De missm007 a 13 de Março de 2005 às 22:23
http://simplesmente-tua.blogspot.com/


De Menina_marota a 13 de Março de 2005 às 18:09
Finalmente, encontrei o caminho para aqui... Vamos lá ver... não atravessei esse "teu" bairro, não fui despida, nem assaltada! Mas encontrei-te! Agora espero que me autorizes a colocar-te lá no meu "guia" de endereços, para não voltar a ter que atravessar meio Porto, à tua procura... eheheh

Abraço :-)


De 123de4 a 12 de Março de 2005 às 15:12
Nunca saias com o pc à rua..Nessa altura também ficamos roubados dos teus posts... claro que sem navalhas...:)


De Moon Tears a 12 de Março de 2005 às 12:57
Pois é, aqui estou eu, ja nao vinha aki comentar ah uns tempinhos, mas tenho vindo sempre ler, só que as vezes a vontade de escrever eh reduzida, entao fico me só pela passagem visual :D
Bairros desses aki na minha zona eh o k nao falta, ando sempre a desviar me das minas, mas tb ja as conheço de jingeira e as vezes nem preciso desviar me k o ppl ve me e fica com medo "oh meu deussssssss eh a moonnnnnn, fujam fujam", sou muito respeitada aki por estas zonas :D eh eh
***************************************
beijinhos pa ti*


De Rita a 10 de Março de 2005 às 11:43
Numa das minhas excursões (e incursões) pela internet dei com este blog que é um mimo. Não conheço o Insolente, mas as suas insolências fazem-me chorar de tanto rir (mais do que a cebola).
Assim vale, realmente, a pena.


De Boi da Prsia a 10 de Março de 2005 às 11:03
Eu fui assaltado em Alcântara e senti...porrada do mais gratuito que há...e para além do dinheiro...levaram-me o bilhete para o concerto dos Metallica, no restelo...foi há nove anos...xiiiiiiiiii...estou velho...


De docerebelde a 9 de Março de 2005 às 21:11
Está visto...passaste a ser uma FONTE DE RENDIMENTO para alguém, daí a te pouparem a vida.Não acontece a todo o cidadão , ser roubado e não sentir....São os chamados fenómenos (DE)Humanos. Fica bem..e continua a passear munido de bastantes valores.


De Pinto a 9 de Março de 2005 às 16:26
Epá...tenho uma palavra que acho que diz tudo: dromedário. Acho que nao preciso de dizer mais nada...


De temposperdidos a 9 de Março de 2005 às 00:15
EPA E DEPOIS DISSO TUDO É ADMIRAVEL AINDA AQUI ESTARES PARA CONTAR A HISTÓRIA EHEHEH um grande bem haja ;)


De so12 a 8 de Março de 2005 às 22:22
Mas que "aventura"... Caparica, E.U.A, ou Caparica, portuguesa, do turismo e etc's? Uma pessoa fica perplexa...obrigada pela visita ao meu. Bjs


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

Estou de volta... noutro ...

FIM

o oceano índico tem a man...

terminou o caso mateus, a...

luta de boxers

o tuga é algo otário

jorge coroado, mestre da ...

mundial da prostituição

as crianças e os mosquito...

o código da mariquice

arquivos

Setembro 2007

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds